A pandemia, o dragão e o apocalipse

Diego Klautau

A partir da mitologia comparada, por exemplo o livro Tratado da História das Religiões, de Mircea Eliade (2010, p. 155-156; 168-171; p. 358-361), podemos pensar na figura do dragão. A palavra vem do grego drakon, ser aquático e que remete ao ato de ver, monstro normalmente de caráter maligno. Contudo, historicamente, podemos considerar, grosso modo, e correndo todos os riscos da generalização e simplificação, que apesar das diferenças particulares da imagem nas diferentes culturas, o dragão (nesse sentido amplo de ser marinho, caótico e superior ao homem, como um grande réptil, serpente, crocodilo ou lagarto) simboliza as forças da natureza na sua forma mais exuberante, dinâmica, vigorosa e indiferente ao homem.

Essa perspectiva é bem aceita na mitologia comparada. Da mesma forma, dentro da lógica do símbolo, costuma-se associar os significados do dragão a diferentes posturas das civilizações históricas que condicionam as formas como tais povos se relacionam com os ritmos e perigos do meio ambiente. Uma vez que a cultura assume uma perspectiva diante dessa expressão da natureza indomável, podemos analisar as diferentes reações de atitudes coletivas e princípios socioculturais e ambientais diante do dragão. Quero ressaltar, nesta reflexão, três abordagens sobre a figura do dragão, sendo uma predominante do oriente, outra hegemônica no ocidente e, por fim, uma especificamente cristã.

Inicialmente, chamo atenção para a cosmovisão entre as posturas ocidentais, vindas dos hipotéticos indo-europeus, que integrariam mesopotâmicos, indianos, iranianos e europeus. Nessa primeira perspectiva, lembramos de Tiamat, a deusa-serpente do poema babilônio Enuma Elish, datado do segundo milênio a.C., morta pelo deus Marduk, que utiliza a carcaça de Tiamat para configurar o mundo. Nesse mito fundante, encontramos o dragão tanto como o desafio a ser vencido em nome da sobrevivência quanto como a origem da matéria-prima para a construção do mundo civilizado. Assim, a natureza é tanto o nosso maior oponente quanto nossa fonte da vida.

Conversa com Smaug, de J.R.R. Tolkien

Entre os gregos, essa dupla significação, isto é, do inimigo a ser abatido e ao mesmo tempo o caminho para o tesouro, é abundante. Na Teogonia, de Hesíodo, do século VIII a.C., podemos encontrar na linhagem dos titãs do mar tanto Tífon, monstro-serpente que foi o último desafio para Zeus assumir como rei dos deuses; a hidra de Lerna, morta por Hércules para cumprir seus doze trabalhos e conseguir as flechas envenenadas por meio do sangue da Hidra; e o dragão guardião dos pomos (maçãs) de ouro no jardim das Hespérides, igualmente morto por Hércules. Por fim, vale lembrar de Píton, na Biblioteca de Pseudo-Apolodoro, no século I-II d.C, o dragão que cuidava de Delfos, que o deus Apolo teve que matar para fundar seu Templo.


Em todos esses casos, o símbolo do dragão é sempre o obstáculo a ser vencido para se conseguir o tesouro. Pôr à prova o heroísmo é matar o monstro reptiliano em nome da civilização, seja para conseguir os recursos materiais para a formação do mundo, seja para honrar o próprio nome na glória, ou ainda para conseguir a preciosidade almejada, ou mesmo, como no caso de Apolo contra Píton, fundar o templo cujas pérolas são a sabedoria, que se expressa na frase escrita no templo de Delfos: conhece-te a ti mesmo. Para matar o dragão e acessar o tesouro, é necessário o autoconhecimento. Esse é o mote socrático, no século IV a.C., que funda a filosofia ocidental e que se desdobra na aposta da razão e da técnica como mestres da natureza.

Chinese Dragon, Russel Dogjun Lu

Uma segunda forma de lidar com o dragão é à maneira dos orientais, como as tradições da China, das Coreias e do Japão. Essas civilizações se relacionam com a natureza por meio de uma postura mais de harmonização, daí o dragão para eles ser menos hostil, um símbolo da superioridade de forças que devem ser reverenciadas e respeitadas. A indiferença do dragão diante do homem e a necessidade de humildade pela noção da pequenez humana é comum com os ocidentais, mas a atitude de conquista difere da atitude de harmonia dos orientais. Nesse sentido, em vez dos traços de desafio e conquista, temos harmonia e reverência. O dragão-natureza é a autoridade ordenadora da humanidade.

Assim, para Tchuang Tsu, um dos expoentes do taoísmo chinês do século IV a.C., que escreveu um livro com seu nome, o dragão é símbolo da vida rítmica em unidade com as águas na harmoniosa ondulação que alimenta o mundo e a civilização. Essa relação de fecundidade e destruição, do homem como indefeso diante do ciclo da natureza, é unificada na dança do dragão, assim como a integração do imperador chinês como o dragão terrestre, porque somente o imperador-dragão pode impor sua vontade e trazer a ordem diante do caos. Por isso, o imperador amarelo Huang-ti, do terceiro milênio a.C. foi levado aos céus por um dragão barbado, juntamente com suas mulheres e conselheiros.

Essa diferença genérica entre ocidente e oriente ocasionou uma discussão enorme de como a perspectiva mitológica-religiosa influencia a cultura de cada uma dessas civilizações, gerando uma maneira própria de como cada uma delas trata da natureza, política, ciência e tecnologia. Um exemplo é a revolução científica, que aconteceu no ocidente mesmo com o oriente descobrindo certas coisas primeiro (como a pólvora e os instrumentos de navegação).

Não quero requentar a controvérsia dos anos 90 entre Samuel Huntigton, com seu livro O Choque das Civilizações, e Francis Fukuyama, na obra O Fim da História e o último homem. Em tal polêmica, Fukuyama afirmava que, após a guerra fria e o colapso do comunismo soviético, o mundo rumaria finalmente para uma estabilização civilizatória fundada na democracia iluminista liberal, enquanto Huntington afirmava que o grande conflito do século XXI seria de bases culturais e religiosas, em vez da disputa de modelos econômicos e políticos comunistas ou capitalistas.

Contudo, quero ressaltar como essa perspectiva simbólica do dragão pode nos ajudar a entender nossa situação diante da pandemia que grassou pelo mundo em 2020. Seja por meio do desafio de matar o monstro e conquistar o tesouro ou a reverência da autoridade e a harmonização com ritmo cósmico, a natureza sempre nos oferece desafios, ainda mais perceptíveis em suas diferenças e problemas comuns entre todas as civilizações globais. Na China, Japão e Coreia, a principal via de combate do “dragão-corona” foi o controle social e a atitude das pessoas de resignação e colaboração com o Estado. Não à toa, o Partido Comunista na China, após décadas de sincretismo com o capitalismo, agora começa a resgatar o confucionismo, doutrina iniciada pelo sábio Confúcio, do século VI a.C. e reformador do taoísmo, que considera o imperador como a representação do dragão em seu controle dos ritmos cósmicos e sociais.

No ocidente, na tradição anglo-saxônica representada pelos EUA e a Inglaterra, existe o poema Beowulf possivelmente do século VIII d.C., que mistura elementos greco-romanos, bíblicos e nórdicos, expressando o herói impetuoso e forte diante dos ogros e que mata o dragão que cuida do tesouro, para livrar seu povo do perigo. Nessa esteira, a primeira coisa que o presidente Donald Trump fez para acalmar os ânimos foi exibir um potencial remédio para eliminar a doença. Mesmo depois de falhas nesse sentido, o ocidente, especialmente a Inglaterra por meio da universidade de Oxford, se encarregou de promover a pesquisa para vacina como troféu civilizatório contra a China, numa reedição da corrida nuclear da segunda metade do século XX, agora com a corrida virológica, para mostrar quem consegue dominar essa biotecnologia com mais eficiência.

Forbidden Fruit, Fall of Man Print Jan Brueghel the Elder

Por fim, no oriente, entendeu-se que deveria respeitar-se o “dragão-corona” ficando em casa e evitando o contato, buscando essa harmonia. No ocidente, a primeira reação foi anunciar a arma para matar o bicho, com o combo do remédio ou da vacina. Independentemente de considerações políticas, pois o isolamento e a colaboração social têm se mostrado eficaz de fato, embora seja medida paliativa, pois o coronavírus só será derrotado com remédio e vacina, a questão do dragão dentro da terceira perspectiva, a cristã, nos traz novos elementos para reflexão.

Como deve estar na memória de todos, o relato bíblico do Gênesis nos apresenta a serpente que engana Adão e Eva como uma embusteira e mentirosa. Não oferece perigo físico e nem mesmo uma reverência. Ela é frágil e se arrasta no chão, sussurrando coisas suspeitas. Da mesma forma, no livro de Daniel, o profeta aparece matando um monstro adorado pelos babilônios e descrito como dragão (Dn 14, 23-30), revelando que ninguém é como Deus, imortal e todo-poderosos, pois até mesmos animais terríveis como os dragões podem ser mortos. Por fim, o profeta Ezequiel compara o faraó no Egito com o dragão (Ez 29, 03) e, sua aparente invencibilidade destinada ao fracasso.

Nesses casos, a perspectiva é sempre a derrota do dragão como forma de superar um ídolo e não conquistar um tesouro ou harmonizar-se com a natureza. As forças naturais não devem ser adoradas ou submetidas como escravas, mas servem para encontrar Deus. Da mesma forma que enfrentar o dragão para conquistar seu tesouro é idolatria, submeter-se a uma força draconiana, do mundo físico ou social, é igualmente adorar falsamente. O dragão vermelho do apocalipse cristão (Ap 12) revela um outro traço, pois quando aparece diante da Mulher e seu Filho, Deus orienta ambos para longe e deixa o combate do dragão para os anjos.

Ao homem não cabe harmonizar-se com o dragão, pois sua condição natural de mortalidade deve transcender para a imortalidade, assim como não tem capacidade de enfrentá-lo, pois isso cabe a Deus e seus anjos, correndo o risco de se transformar em servo do próprio dragão e destruir o meio ambiente e a Criação Divina. Resta trabalhar como se tudo dependesse de nós, ciência e sociedade, tendo consciência de que tudo depende de Deus. Nada mais simboliza essa atitude do que a imagem do Papa Francisco na noite da Sexta-Feira Santa, em abril deste ano, numa praça de São Pedro esvaziada, acompanhado de poucos profissionais da saúde — a linha de frente no combate à pandemia, lançando sua benção na noite em que lembramos da morte de Cristo na cruz.

Obras citadas
ELIADE, Mircea. Tratado da História das Religiões. Tradução: Fernando Tomaz, Natália Nunes. 4 ed. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2010.
HESÍODO. Teogonia. Tradução: Jaa Torrano. 4 ed. São Paulo: Editora iluminuras, 2001.
CABRAL, Luiz Alberto Machado. A biblioteca do Pseudo-Apolodoro e o estatuto da mitografia. Tese de Doutorado em Estudos da Linguagem. Unicamp. 2013.
HUNTINGTON, Samuel P. O Choque das civilização e a Recomposição da Ordem Mundial. Tradução: M.H.C. Côrtes. Rio de Janeiro: Objetiva, 2010.
TOLKIEN, J.R.R. Beowulf: uma tradução comentada. Tradução: Ronald Kyrmse. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2015.
Bíblia de Jerusalém.


Diego Klautau é doutor em ciências da religião e conheceu Tolkien jogando RPG com os amigos.


7 thoughts on “A pandemia, o dragão e o apocalipse

  1. Gostei do texto, apesar que gostaria que tivesse falado mais sobre dragões e sua relação com a pandemia. Do oriente mais voltado para o Japão que eu leio mais as lendas, eles são geralmente representados como etidades ligado as águas, raios, tempestades, por exemplo tem o “Ryūjin Shinko” (deus dragão da fé) é uma forma representada na crença religiosa do xintoísmo que adora os dragões como Kami(Deus) da água. Devido a sua característica como um kami da água, o dragão Ryujin também está relacionado com a agricultura, tem também o Zennyo Ryuo: Deus dragão da chuva, mencionado em textos budistas no Palácio Imperial de Kyoto.
    Em algumas lendas eles são responsáveis por trazer destruição em frente a devantação que o homem faz da natureza em outros trazem chuvas e boas novas, traz vida e proporcionam plantio, então é interessante você citar a pandemia da Covid-19 e o Isolamento.

    1. livro The Dragon in China and Japan Marinus Willem De Visser
      Tem um livro famoso que não li… Kojiki ou Furukotofumi é o livro mais antigo sobre a história do Japão antigo. As canções incluídas no texto são em japonês arcaico escritas foneticamente com manyogana

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s