“Noel”, poema de Natal de J.R.R. Tolkien

Cristina Casagrande

Além de escrever prosa, Tolkien também era poeta e isso se vê inclusive em suas mais famosas obras, O Senhor dos Anéis e O Hobbit.

Aqui apresento um poema pouco difundido, mas que tem tudo a ver com a temática da Noite Feliz, que celebraremos na ceia de hoje. O poema “Noel” (Natal) foi publicado com outro chamado “The Shadow Man” (O Homem das Sombras) no Anuário da Our Lady’s School, em 1936.

Confira o poema original, seguido da tradução em português, feita por mim.

“Noel” (J.R.R. Tolkien)

Grim was the world and grey last night:
The moon and stars were fled,
The hall was dark without song or light,
The fires were fallen dead.
The wind in the trees was like to the sea,
And over the mountains’ teeth
It whistled bitter-cold and free,
As a sword leapt from its sheath.

The lord of snows upreared his head;
His mantle long and pale
Upon the bitter blast was spread
And hung o’er hill and dale.
The world was blind,
the boughs were bent,
All ways and paths were wild:
Then the veil of cloud apart was rent,
And here was born a Child.

The ancient dome of heaven sheer
Was pricked with distant light;
A star came shining white and clear
Alone above the night.
In the dale of dark in that hour of birth
One voice on a sudden sang:
Then all the bells in Heaven and Earth
Together at midnight rang.

Mary sang in this world below:
They heard her song arise
O’er mist and over mountain snow
To the walls of Paradise,
And the tongue of many bells was stirred
in Heaven’s towers to ring
When the voice of mortal maid was heard,
That was mother of Heaven’s King.

Glad is the world and fair this night
With stars about its head,
And the hall is filled with laughter and light,
And fires are burning red.
The bells of Paradise now ring
With bells of Christendom,
And Gloria, Gloria we will sing
That God on earth is come.

“Natal” (J.R.R. Tolkien)

Sério tudo estava, e cinza a noite passada
A lua e as estrelas sumidas
Salão estava escuro, sem canção nem nada
As chamas baixas, consumidas.
O vento nas árvores era como o mar
E sobre as garras da montanha
Livre e assaz enregelado a assoprar,
Como espada que o acompanha.

O senhor das neves foi erguer sua cabeça;
O seu manto longo e descorado
Sobre a forte explosão espalhou-se à beça
Pênsil sobre cerro e prado.
O mundo estava cego, os galhos iam torcidos
Vias e sendas de ar ferino
Então os véus de nuvens à parte partidos
E aqui nasceu um Menino.

A antiga cúpula de celestial mantilha
Perfurada com luz distante
Chega uma estrela que clara e branca brilha
Sozinha noite adiante.
No vale escuro bem na hora do nascimento
Uma voz súbita soou
Cada sino desta Terra e do Firmamento
Junto, meia-noite toou.

Maria cantarolou neste mundo defronte
Ouviu-se a canção de siso
Sobre a névoa e sobre a neve do monte
Para os muros do Paraíso
Badalos de cada sino eram agitados
nas torres do Céu tocador
Quando os dizeres da serva ali escutados
Dela que é a mãe do Senhor.

Feliz é o mundo e a noite é atraente
Estrelas sobre sua fronte
O salão repleto de riso e reluzente
Com fogo queimando um monte.
Campânulas do Paraíso já a soar
Campânulas da Cristandade
E o Glória, e o Glória nós vamos entoar
Deus na Terra é realidade.
(Tradução de Cristina Casagrande)

No ano passado, recebi o convite do Sérgio Ramos, para fazer a tradução desse poema para o canal O Guardião Católico, confira:


Cristina Casagrande é jornalista, escritora e tradutora e pesquisadora em literatura tolkieniana

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s